Consigo tocar meu negócio de casa ou preciso de um espaço maior?

January 14, 2016

Apesar da instabilidade econômica, o Brasil continua sendo um lugar de empreendedorismo. O  Governo Federal afirma que todos os anos cerca de 600 mil novas empresas surgem no país, especialmente negócios de pequeno porte. Um levantamento feito pelo Sebrae aponta que existem hoje no país mais de 6,4 milhões empreendimentos empresariais e, destes, 99% são micro e pequenos.

Ainda assim, muitas pessoas ainda têm muitas dúvidas na hora de tomar a decisão de empreender. E não pense que é só a crise que preocupa os brasileiros. Dúvidas sobre o mercado de atuação, sobre a estrutura necessária e até administrativas são muito comuns.

Neste artigo, vamos conversar sobre a estrutura de um pequeno negócio, respondendo a esta pergunta: consigo tocar meu empreendimento de casa ou preciso de um espaço maior? Além disso, ao final, você verá que é possível se estruturar com apoio externo para que o negócio seja eficaz e próspero. Se estas são suas dúvidas, acompanhe!

 

 

 

 

Tocar o negócio de casa: vantagens e desvantagens do

 

home office

 

Nem todos os empreendedores necessitam montar um escritório para que seus negócios sejam colocados em prática. A questão é: trabalho de casa ou uso o modelo de coworking (dividir escritório com outros empreendedores)? Comecemos pelo home office.

Há uma série de vantagens e também há desvantagens deste modelo de trabalho. Ao trabalhar em casa você vai economizar com deslocamento (transporte, estacionamento etc.), aluguel de escritório, energia elétrica, linha telefônica etc. Também as vantagens de flexibilidade de horários (ela deve ser muito bem administrada, do contrário pode resultar em problema), proximidade com a família, entre outras.

Por outro lado, o home office exige muita disciplina. Afinal, você está na sua casa, no seu conforto, e pode se sentir tentado a flexibilizar demais os horários; também pode perder produtividade por distrações com a televisão e outras. Outro ponto que pode ser considerado desafiador é não ter contato frequente com outros profissionais no dia a dia de trabalho.

O ideal é que haja um equilíbrio e a conscientização de que o trabalho em casa não pode ser confundido com “não trabalho”. Uma dica útil é montar um escritório em casa, um ambiente voltado exclusivamente para o trabalho, onde você entre para tocar seu negócio — evite utilizar a sala de estar ou o quarto para isso.

 

Coworking: os prós e contras de compartilhar o espaço com outras startups

 

Outra opção que vem crescendo muito no Brasil é o coworking, um estilo de trabalho que envolve um ambiente compartilhado, ou seja, você dividirá o escritório com outros empreendedores que nada têm a ver com o seu negócio.

Esta é uma alternativa econômica, pois as despesas são compartilhadas (ao estilo condomínio) ao mesmo tempo em que o networking é valorizado. Além disso, é vantajoso por proporcionar espaço para receber clientes e parceiros de negócio.

Há, no entanto, um ponto que merece atenção: ambientes de coworking podem ser dispersivos, pois muitas pessoas de diferentes negócios atuam no mesmo espaço, muitas vezes gerando ruídos ou convidando para conversas paralelas.

 

 

Preciso montar uma grande equipe para tocar meu negócio em casa ou no ambiente de coworking?

 

Independente do estilo de trabalho adotado, seu negócio precisa de uma estrutura mínima para existir e prosperar. É preciso contratar muitos funcionários para isso? Não para uma micro ou pequena empresa. Uma excelente alternativa é terceirizar as áreas que não são suas expertises.

Com a internet, o outsourcing (terceirização) está cada vez mais facilitado. É possível contratar um contador, um consultor de marketing e outros aliados sem sair do escritório e receber os serviços via videoconferência, por exemplo.

Terceirizar tem inúmeras vantagens: redução de custos, contratação de profissionais especializados, rapidez e resultados (afinal, o fornecedor sempre entregará o melhor para manter o cliente), etc.

É verdade que partir para um modelo de terceirização exige uma mudança de cultura. É preciso pensar diferente do modo tradicional, descentralizar o controle e agir mais como um empreendedor que agrega parceiros e orquestra prestadores de serviços. É preciso concentrar esforços na estratégia e confiar no trabalho de parceiros qualificados.

 

Você prefere coworking ou home office? Como lida com a terceirização de serviços? Deixe um comentário!

 

 

 

 

Sobre a autora:

Flávia Sales é consultora na Marketita em estratégias de marketing, comunicação e vendas em mercados B2B e B2C para startups, pequenas e médias empresas e micro empreendedores.

www.marketita.comflavia@marketita.com |11 995.596.555 | Skype: flavia-sales

Please reload

Destaques

Precificação: por que não cobrar valores 'redondos' pelos serviços da sua startup?

February 12, 2016

1/5
Please reload

Recente
Please reload

Histórico